Polineuropatia - Cuidados e Fisioterapia
14 de Setembro de 2017


A Polineuropatia Periférica é uma alteração que ocorre nos nervos periféricos, responsáveis por encaminhar informações do cérebro e da medula espinhal para o resto do corpo. Esses nervos informam nosso cérebro quanto ao movimento e a sensibilidade de cada parte do corpo, informando dor, se um dedo esta queimando ou quão frio algo está.

Existem diferentes causas para este distúrbio, podendo ser de origem metabólica (diabetes),  por doenças auto-imune ou causas tóxicas. Hoje é estimado mais de 2 milhões de casos no ano no Brasil, onde o quadro clínico pode ser variado já que os nervos tem funções especializadas em cada parte do corpo.

As queixas podem incluir sensação de formigamento, picada, queimação e fraqueza muscular. As alterações geralmente iniciam nas plantas dos pés em sentido distal para proximal (se espalhando para tornozelo e pernas), são bilaterais e simétricos. Estes aspectos acabam interferindo no equilíbrio.                                                                             

O tratamento da polineuropatia periférica ajuda a aliviar os sintomas, mas não tem cura. Os resultados dos testes de avaliação é que irão guiar as decisões terapêuticas. Podem incluir medicamentos para aliviar as alterações de sensibilidade, fisioterapia e orientações para que seja evitado complicações devido a falta de sensibilidade, ao desuso ou uso excessivo.

Na fisioterapia são utilizados exercícios proprioceptivos e aplicação de diferentes texturas no local acometido para que ocorra uma dessensibilização, também inclui exercícios cinesioterápicos globais. Para que melhore a alteração de sensibilidade e assim o equilíbrio como um todo, priorizando a segurança do paciente nas tarefas diárias e gerando melhor qualidade de vida.